08/02/2017

STREET FIGHTER: A Última Batalha (1994) - Steven E. de Souza / Crítica



Data:
19 de setembro de 1995
(1h 42min)

Direção:
Steven E. de Souza

Elenco:
Jean-Claude Van Damme

Raul Julia
Byron Mann
Damian Chapa
Ming-Na Wen
Kylie Minogue
Simon Callow
Roshan Seth
Andrew Bryniarski
Grand L. Bush
Robert Mammone
Miguel A. Núñez Jr
Gregg Rainwater
Kenya Sawada
Jay Tavare
Peter Navy Tuiasosopo
Wes Studi
Gerry Day
Sander Vanocur
Adrian Cronauer
David Green

Gênero: Videogame, Ação

Nacionalidade: Estados Unidos



STREET FIGHTER - A Batalha Final é uma adaptação live action de um jogo de luta da CAPCOM  muito famoso nos anos 90, que apesar de ter faturado bem nos cinemas, foi um fracasso de crítica. Eu adora jogar sempre depois das aulas e gastei muitas fichas no fliperama. Apesar de um bom tempo sem concorrência nos arcades, as máquinas de fliperama da Capcom conseguiram fazer mais sucesso inicialmente aqui no Brasil. 

Considere esse filme uma paródia porque tudo foi uma adaptação que alterou o enredo do jogo original e as motivações dos personagens de Street Fighter ficaram bem estranhas. Sem contar os momentos bizarros de comédia pastelão. A minha expectativa de ver a história do jogo conforme eu conhecia e sem alterar nada foi frustrante. O desconhecido diretor Steven E. de Souza, o achou melhor mudar coisas significativas da trama do jogo. 

Entre elas o protagonista agora é o Guile, vivido pelo astro Jean Claude Van Damme sendo que no jogo sempre foi a dupla Ken e Ryu que nesse filme aqui são meros patetas trapaceiros. Tornaram o imponente Sagat vivido pelo ator Wes Studi (Magua do ÚLTIMO dos MOICANOS) em um velho traficante sem graça. Zangief é um brucutu burro que pelo menos em relação ao personagem do jogo muito parecido. Dhalsim feito pelo ator Rosha Seth (Chattar Lal de INDIANA JONES e o TEMPLO da PERDIÇÃO) que era parecido com o Gandhi vira um cientista mequetrefe; e o Honda deixa de ser japonês para virar um havaiano. E o brasileiro Blanka é um soldado que passa por experimentos para se tornar um Hulk com anemia. 

O elenco tem poucos conhecidos. Além do Jean Claude Van-Damme, tem a cantora Kylie Minogue fazendo o papel da Cammy. (Sem maio enfiado no rabo)
e o renomado Raul Julia (Gomez Adams da família Adams) fazendo o vilão Bison que é um dos poucos que teve seu personagem condizente com o jogo.

Apesar de fazer um ditador bem caricato o personagem lhe rendeu uma merecida indicação ao Saturn Awards em 1995, como ator coadjuvante. Na época estava sofrendo de câncer de estômago e morreu 2 meses antes de estrear o filme. Ele só aceitou fazer o papel a pedido de seus dois filhos. 

O filme faz um bom fan service pra quem conhece o jogo. O que não falta aqui são referências,  Jean Claude caracterizou o cabelo de vassoura (Apesar de ser vermelho). Executou muito bem o famoso golpe de Guile, o "Flash Kick" conhecido por muitos aqui no Brasil como "Gilete". O lado bom disso é que os fãs saem satisfeitos como todos os 16 personagens do game SUPER STREET FIGHTER II, (Menos Fei Long) foram encaixados na história. 

STREET FIGHTER - A Batalha Final fez um inesperado sucesso de bilheteria pelo mundo, porém, criou um filme usando o universo do jogo, mas sem relação com o mesmo. Resultado: Uma das piores adaptações de games para os cinemas. Uma história infantiloide com personagens zoados com originalidade perdida. A péssima recepção fez com que uma sequência nunca saísse do papel (GRaças a Deus). O diretor nunca mais foi visto, Jean-Claude Van Damme deu uma caída em sua carreira depois desse filme. (Deve ser por isso que ele não quis fazer Johnny Cage no filme MORTAL KOMBAT). 


NOTA: 1

PONTO POSITIVO: Referencias e o sacrifício de Raul pelos filhos.

PONTO NEGATIVO: Falta de originalidade e enredo cheio de inserções cômicas retardadas.



CIcero Durães
27/01/2017