15/01/2017

O CONDE de MONTE CRISTO (2002) - Kevin Reynolds / Crítica


Data:

1 de maio de 2002 
(2h 11min)

Direção: 
Kevin Reynolds

Elenco: 
Jim Caviezel
Guy Pearce
Richard Harris
Luis Guzman
Michael Wincott
Henry Cavill
James Frain
Dagmara Dominczyk

Gênero: Aventura

Nacionalidade: Estados Unidos, Reino Unido, Irlanda

CONDE de MONTE CRISTO conta a história do
 jovem Edmond Dantes. Um homem que enxerga o mundo sem maldade, assim como uma criança. Seu melhor amigo, Fernand de família rica e nobre inveja a sorte e qualidades dele e por ele possuir uma linda mulher, acaba fazendo com que Dantes, um homem pobre e honesto, seja acusado de traição e assassinato, e armando assim para ficar com sua noiva. Edmond é preso por 13 anos. Durante todo esse período deseja vingança até o dia em que consegue fugir da prisão.

Este filme tem todos os elementos do livro clássico, porém renovados para o público contemporâneo. Este é o primeiro trabalho em algum tempo, que combina realismo, ação e intriga. Também apresenta um elenco de primeira linha, um diretor renomado, Kevin Reynolds, várias locações espetaculares e dramáticas sequências de aventura.


A história do filme possui algumas diferenças com a história do livro de Alexandre Dumas. O desejo de vingança cresce no personagem principal e contagia quem assiste. Aqui temos um roteiro que simplifica o enredo do livro, para tornar a história mais fácil de entender. Mas o resultado também é que a versão cinematográfica se torna direta. 

Na parede da prisão, tem uma frase esculpida na pedra, que diz: ''DEUS ME FARÁ JUSTIÇA'', que possui um sentido pesado, como se a justiça de Deus fosse a vingança. 

Uma história que envolve intriga, período histórico, planejamento de vinganças; esses são elementos que me atraem bastante a atenção. A forma como me identifiquei foi através da noção da perda da fé, e depois a redenção, para encontrar a paz outra vez. É a passagem pelo inferno para se tornar um homem melhor. 

O filme já teve duas adaptações anteriores no cinema feitos em 1934 e 1975, e essa terceira versão apesar de ter deixado a história mais dinâmica, peca por uma fotografia pobre e cenas pouco claras. O filme tem o mérito de estabelecer uma nova conexão entre 4 personagens que deixou a relação entre entre Mercedez (Dagmara Dominczyk), Albert (Henry Cavill), Edmund Dante (Jim Cazievel) e Fernand Mondego muito interessante, algo que não tem no livro, e que eu achei sensacional.

O CONDE de MONTE CRISTO é um ótimo filme que tem em sua essência todos os elementos sobre vingança, inveja, superação e amor que são reunidos numa jornada de circunstancias que acompanham a natureza humana diante das adversidades


NOTA: 9

PONTO POSITIVO: Roteiro adaptado 

PONTO NEGATIVO: Fotografia



CIcero Durães
01/07/2015